Diretor da Master Ambiental é Auditor Líder certificado

O Eng. Fernando de Barros, diretor e responsável técnico da Master Ambiental, possui a certificação como Auditor Líder de Sistema de Gestão Ambiental e conforme a Resolução CONAMA nº 306/2002. A Master Ambiental conta com auditor líder certificado em sua rede de colaboradores.

Além de Auditorias Ambientais para o Sistema de Gestão Ambiental e para a CONAMA 306/2002, a Master Ambiental realiza também a dilligence para atendimento dos Princípios do Equador.

Saiba mais sobre os diferentes relatórios de auditoria que a Master Ambiental pode realizar para sua empresa e demonstre e aprimore o compliance da organização, evidenciando a qualidade da sua gestão.

O que é auditoria ambiental conforme Resolução CONAMA nº 306/2002?

Apenas auditores líderes certificados podem realizar uma auditoria de sistema de gestão e controle ambiental conforme a CONAMA 306, obrigatória de dois em dois anos para portos, instalações portuárias, plataformas e refinarias. Fique atento e confira o certificado do auditor antes da contratação.

A Resolução estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais que têm o objetivo de verificar o cumprimento da legislação ambiental aplicável e avaliar o desempenho da gestão ambiental dessas atividades.

Quando o relatório de auditoria ambiental, baseado na legislação e em evidências objetivas, constata não conformidades, estas devem ser objeto de um plano de ação.

O certificado atesta que o profissional atende os requisitos da legislação e possui tanto a formação específica como a experiência necessária para ser um auditor ambiental. Saiba mais sobre o serviço de auditoria ambiental conforme Resolução CONAMA nº 306/2002.

O que é a Auditoria para Relatório Due Dilligence conforme Princípios do Equador?

Os Princípios do Equador são um conjunto de critérios socioambientais adotados por instituições financeiras em nível mundial referenciados nos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental da International Finance Corporation (IFC) e nas Diretrizes de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Grupo Banco Mundial a serem observados na análise   para dar apoio a novos projetos de investimentos.

A Auditoria Due Dilligence resulta em um Relatório de Avaliação Socioambiental que evidencia o atendimento aos requisitos e exigências estabelecidos. Os Princípios do Equador são os seguintes.

  • Princípio 1: Análise e Categorização
  • Princípio 2: Avaliação Socioambiental
  • Princípio 3: Padrões Socioambientais Aplicáveis
  • Princípio 4: Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Ação dos Princípios do Equador
  • Princípio 5: Engajamento de Partes Interessadas
  • Princípio 6: Mecanismo de Reclamação
  • Princípio 7: Análise Independente
  • Princípio 8: Obrigações Contratuais
  • Princípio 9: Monitoramento Independente e Divulgação de Informações
  • Princípio 10: Divulgação de Informações e Transparência

Saiba mais sobre o serviço de Auditoria Due Dilligence conforme Princípios do Equador. 

O que é a Auditoria Ambiental para Sistema de Gestão Ambiental?

Prevista como instrumento de Sistemas de Gestão Ambiental pela norma ABNT NBR ISO 14.001:2015, a auditoria interna é definida como um processo sistemático, independente, documentado, para obter evidências e avaliar objetivamente o atendimento adequado aos critérios estabelecidos para implementação e manutenção do sistema de gestão ambiental.

Verifica-se por meio de análise documental e visual o cumprimento das normas legais ambientais em vigor, níveis efetivos ou potenciais de poluição ou de degradação ambiental por atividades do empreendimento auditado; condições de operação e de manutenção dos equipamentos e sistemas de controle de poluição.

Visando a assegurar a proteção ao meio ambiente e minimizar os impactos negativos do empreendimento, a auditoria conclui por recomendar medidas necessárias para corrigir não conformidades graves, cujas ações corretivas são urgentes, ações corretivas necessárias, ações preventivas e oportunidades de melhoria. Saiba mais sobre o serviço de Auditoria Ambiental para Sistema de Gestão Ambiental. 

No Rio de Janeiro, Auditoria Ambiental é obrigatória para Licenciamento Ambiental , conforme a Diretriz da DZ 056

Conforme o Decreto 44.820/2014, a emissão de licenças de operação e renovações pelo INEA no Rio de Janeiro depende da realização de Auditorias Ambientais de Controle.

A Resolução CONEMA 21/2010 aprova a DZ 056 que estabelece a diretriz para realização de auditoria ambiental.

A Auditoria Ambiental de controle é obrigatória para os seguintes empreendimentos ou atividades considerados de médio e alto impacto ambiental:

  • I refinarias, dutos e terminais de petróleo e seus derivados;
  • II instalações portuárias;
  • III instalações aeroviárias (aeroportos, aeródromos, aeroclubes);
  • IV instalações destinadas à estocagem de substâncias tóxicas e perigosas;
  • V instalações de processamento e disposição final de resíduos tóxicos e perigosos;
  • VI unidades de geração de energia elétrica a partir de fontes térmicas;
  • VII instalações de tratamento e os sistemas de disposição final de esgotos domésticos;
  • VIII indústrias petroquímicas e siderúrgicas;
  • IX indústrias químicas e metalúrgicas;
  • X instalações de processamento, recuperação e sistemas de destinação final de resíduos urbanos radioativas;
  • XI atividades de extração mineral, exceto dos bens minerais de aplicação direta na construção civil; XII atividades de beneficiamento de bem mineral;
  • XIII instalações de tratamento de efluentes líquidos de terceiros;
  • XIV instalações hoteleiras de grande porte;
  •  XV indústrias farmacêuticas e de produtos veterinários;
  • XVI indústrias têxteis com tingimento;
  • XVII produção de álcool e açúcar;
  • XVIII estaleiros;
  • XIX demais atividades com potencial poluidor alto, a critério do órgão ambiental.

SAIBA MAIS SOBRE A CONSULTORIA DA MASTER AMBIENTAL, CLIQUE AQUI.

Comentários