Aprenda a fazer mudas frutíferas e espalhar por fundos de vale da cidade

Pomarizar é a atitude de fazer mudas frutíferas com garrafas pet e plantar em fundos de vale
mudas frutíferas
Na equipe da consultoria Master Ambiental, as pessoas possuem consciência ambiental além do ambiente de trabalho. Advogado e coordenador técnico da empresa, é o caso de Carlos Eduardo Levy que gosta de aproveitar os intervalos da rotina agitada de advogado e consultor em contato com a natureza e de plantar árvores.

Há mais de década, Levy e amigos cultivaram o hábito de fazer mudas de árvores frutíferas em garrafas pets e depois plantar as mudas para que se tornem árvores nos fundos de vale de Londrina – PR. Além de transformar, com as próprias mãos, espaços públicos degradados em pomares, gostam de espalhar a ideia por aí. “Há alguns anos, decidiu-se que Pomarizar seria um movimento, não uma ONG”, contrapõe Levy, explicando que o Pomarizar nunca possuiu uma pessoa jurídica.

A atividade é muito simples, educativa e prática. A liberdade e a iniciativa são as raízes do movimento, que se perpetua conforme o desejo de cada participante em transmitir o método a outras pessoas. Conforme ensina o coordenador, as espécies são cultivadas em um recipiente prático: as garrafas PET. A técnica é simples. Basta cortar a parte de cima, enchê-la com terra e encaixá-la na base, onde é depositada a água da chuva.

A ação pode ser praticada por qualquer pessoa – inclusive crianças – interessada em tornar ambientes antes abandonados em espaços embelezados por árvores frutíferas. Com o tempo, a planta já em desenvolvimento deve ser transferida para terra. “Assim, o homem planta e tem a experiência de fazer brotar a semente de qualquer fruta, aproximando-se da terra”, ressalta Levy.

noticia-como-pomarizar-masterDe acordo com ele, qualquer espécie pode ser cultivada com este método, mesmo aquelas que costumam depender de enxerto. “Já plantei desde baobá até boldo, morango, caqui, enfim qualquer coisa. Apenas sementes híbridas podem não germinar”, esclarece Levy. Outras espécies de fácil cultivo são abacate, amora, mamão, pitanga e acerola.

O interesse ambiental e as mãos cuidadosas foram responsáveis pelo reflorestamento de muitos dos fundos de vale da cidade. O resultado ambiental pode ser conferido nos fundos de vale do Córrego Capivara e Córrego Água Fresca, da bacia do Ribeirão Cambé, o mesmo que forma os Lagos Igapós, cartão postal da cidade. Para Levy, ações como essas são vitais por aproximar o homem da terra e da natureza. “A partir da experiência livre, as descobertas são infinitas, assim como o aumento da oferta de frutas em espaços verdes públicos”, conclui.

Saiba mais sobre a consultoria da Master Ambiental, clique aqui.

Comentários