Como construir pontes com menos impacto ambiental?

Confira as dicas da Master Ambiental

CHARGE-DA-PONTEA experiência de campo da equipe da Master Ambiental em serviços de supervisão e monitoramento de sistemas de gestão ambiental em rodovias trouxe aprendizados importantes sobre como mitigar impactos ambientais ao realizar obras em pontes.

Devido à própria característica de uma obra de ponte, localizada em área sensível ambientalmente, é preciso cuidado redobrado. E as dificuldades da gestão ambiental em rodovias não são poucas, tendo em vista que são trechos longos a controlar.

A Master Ambiental prestou esse tipo de serviço de monitoramento para rodovias da Triunfo Econorte, CCR Rodonorte, CCR MS Vias, Nascentes das Gerais, entre outras concessionárias.  Com variantes metodológicas, todos os projetos tinham em comum um forte trabalho de campo, que gerou centenas  de registros fotográficos periódicos  sobre o desempenho ambiental das obras.

Um aspecto fundamental para mitigar o impacto ambiental na construção de pontes é realizar um diagnóstico bem feito, que identifique corretamente o terreno, por meio de sondagens, e os cursos hídricos, incluindo as variações de vazão.

É sempre bom lembrar que a melhor gestão diminui o custo final da obra. Quando se descobre um córrego novo, já no processo de construção, é preciso mudar a localização da implantação, trazendo custos extras e impacto ambiental.

A identificação completa dos potenciais impactos antes da instalação do canteiro de obras é imprescindível para realizar o planejamento necessário e estar preparado para as medidas mitigadoras adequadas.

Por exemplo, um impacto comum a se evitar é a contaminação do solo e da água. Uma forma correta é impermeabilizar os locais do canteiro de obras utilizados para fabricação de componentes de concreto e utilizar outras estruturas de contenção provisórias para segurar o solo removido. Plantar grama nos taludes o quanto antes é outra medida importante para evitar o carreamento de solo.

Como regra geral, é preciso evitar ao máximo o solo exposto e instalar uma estrutura de contenção para reduzir qualquer instabilidade. É interessante é instalar abaixo da ponte, para estabilizar a margem do rio, uma estrutura definitiva é o colchão reno, com britas, para não permitir perda de solo e comprometer a estrutura da ponte.

Levando em consideração um estudo hidrológico, as estruturas de drenagem, como canaletas de concreto, precisam ser projetadas e executadas eficientemente para não causar erosão. É comum a instalação de escadas hidráulicas para dissipar a energia da água.

Como uma obra que realiza uma intervenção em Área de Preservação Permanente (APP), é necessário realizar um inventário florístico e solicitar autorização prévia para a supressão da vegetação.  No momento de realizar o corte, demarcar precisamente a área impede não avançar mais que o permitido. Depois de realizada a intervenção, implantar um plano de recuperação de vegetação para minimizar o efeito negativo. Onde houver fragmentos florestais significativos, é preciso estruturas para passagem da fauna, aéreas e subterrâneas.

A mais valiosa dentre as lições aprendidas é que muito do que pode tornar uma ponte sustentável está diretamente relacionado ao treinamento e interesse dos funcionários da obra. O cuidado no manuseio do concreto, por exemplo, pode evitar que muito resíduo caia no rio. A importância de executar Programas de Educação Ambiental e Treinamento para funcionários é por isso cada vez mais exigida  no licenciamento ambiental de qualquer obra de impacto.

Canaleta

canaleta

Colchão Reno

colchao reno

Disparador de energia

dissipador de energia

Escada Hidráulica

modelo-escada-hidraulica-2

Gramado

gramado

Leito do rio paralelo a rodovia com colchão reno

modelo-leito-do-rio-2

Saiba mais sobre a consultoria da Master Ambiental, clique aqui.

Comentários